De como eu chorei

Guarda o meu coração, ó Deus

Guarda o meu coração, ó Deus

Eu tive uma semana muito feliz. Promessas se realizando, presentes incríveis, Deus me honrou com honra sobre honra. Mas aí chorei. Chorei, chorei, sim, chorei. Muita emoção e alegria de viver tanta coisa boa de uma só vez na minha vidinha. Especialmente porque eu sofri muito nos anos anteriores.

E também chorei porque conheci uma pessoa incrível, na hora em que não devo me aproximar e me dói só de ver ou pensar. Isso de fato está me consumindo.

E toda a minha alegria complica porque ele me ajudou nas minhas vitórias. Me sinto dividida e até mesmo errada por estar assim. E isso me faz pedir que Deus guarde o meu coração para que eu não projete sentimentos irreais que não provém do trono e não trace planos fora do propósito perfeito do Senhor…

Seguindo sozinha

a
“Assim, pois, sigamos as coisas que servem para a paz e as que contribuem para a edificação mútua.” (Romanos 14:19)

Casamento é bom quando não se está nele seguindo sozinha, o meu casamento não era real, só existia da porta de casa para dentro. Desafios são bons quando dependem unicamente de você vencê-los, meu desafio de salvar um casamento falido dependia pouco de meus esforços.

Geralmente sou uma pessoa de muita paciência, o que faz parecer que suporto tudo. Porém, chegou o meu limite. Primeiramente orei, jejuei e busquei auxílio dos meus pastores e das mulheres cristãs casadas mais velhas que me orientaram e intercederam comigo. Foram longos meses de batalha espiritual, agradeço a todos os que lutaram ao meu lado. Enfim, usei meu direito de divórcio.

A paz de Deus na nossa vida é um estado de espírito de imenso contentamento. É superior a qualquer coisa terrena, é maior que qualquer sensação que possamos ter com dinheiro, sexo, drogas etc. É plenitude de um bem-estar que não se acaba. Eu estava sentindo falta dessa paz, que agora recuperei. E, é claro, de sorrir verdadeiramente como agora eu já posso fazer. Sei quem EU SOU e vou seguir sozinha sim, mas no caminho do Senhor. Sou uma mulher realmente fantástica, do tipo que não existe muitas, agora tenho certeza de que há uma distinção de Deus na minha vida. Muitos chamados, poucos escolhidos… Paz!

Nova Aliança

Adestra as minhas mãos para a peleja, de sorte que os meus braços vergam um arco de bronze.

"Adestra as minhas mãos para a batalha, de sorte que os meus braços vergam um arco de bronze." (Sl 18:34)

Nesses tempos meditei muito em Oséias. Jovem profeta, contemporâneo de Isaías, mas que viveu um grande confronto de obediência. Talvez ele sonhasse em se casar com uma mulher honrada, mas Deus o mandou se casar com uma “mulher de prostituições”. Oséias sentiu na pele a dor de ter uma aliança rompida e passou pelo processo de restaurar seu casamento com Gômer, o que só foi possível porque Oséias tinha duas qualidades.

A primeira era um coração aliançado ao coração de Deus. Por isso Oséias era obediente e não questionava a soberania de Deus sobre a sua vida, mesmo passando pela vergonha de sofrer adultérios, mesmo passando pelo humilhante julgamento das outras pessoas.

A segunda qualidade de Oséias era um amor verdadeiro. Somente um amor verdadeiro é capaz de exercer esse perdão tão profundo quando uma aliança é rompida e somente por esse amor é que se pode vislumbrar um recomeço.

Quando você se sentir injustiçado por Deus e não compreender porque a tempestade de repente atingiu sua vida, leia Oséias. Não sei até que ponto eu e Oséias somos parecidos, o que sei é que quando eu obedeço ao Senhor, sou capacitada para fazer o que eu duvidava e vejo acontecer o que eu chamava de improvável. Deus se levantou e guerreou pela minha causa e, sem que eu precisasse agir por impulsos humanos, o Senhor resolveu minha angústia e tem me feito nova aliança. Ganhei do Senhor um novo homem, tenho um novo começo.

Já penso de novo em aumentar a família. Coração aquecido, novos sonhos, paz indescritível, forças renovadas. Hoje acordei cedo e orei ao Senhor, pois percebi como estou forte. Deus não nos capacita sem objetivo. Isso só pode significar uma coisa: está chegando uma grande guerra. E eu estou pronta!

Escolhas que fazemos

"O que fazemos aqui ecoa na eternidade" (Maximus, em O Gladiador)

"O que fazemos aqui ecoa na eternidade" (Filme: O Gladiador)

John Wesley considerava perdido um dia em que não ganhasse uma alma pra Cristo. Aliás, ele tinha um compromisso com Deus de ganhar por meio de evangelização pessoal e direta uma pessoa por dia, desconsiderando as pessoas que se entregavam a Cristo nos seus sermões ouvidos por milhares de pessoas.

Eu na minha simplicidade reconheço a mediocridade das minhas intenções cristãs. Nunca me propus a um desafio desse porte, mas considero perdido um dia em que eu não tenha descoberto algo novo com Deus ou desenvolvido mais uma habilidade cristã.

Hoje, pensei em dizer que eu não preciso mesmo entender Deus, mas lembrei que eu já escrevi sobre isso aqui. Também que Deus responde as orações, mas eu também já disse isso aqui. Eu já passei dessas etapas, agora estou em um confronto diferente: o das escolhas que fazemos.

Um pouco de fé. Um pouco de sensibilidade. Um pouco de paciência. E muito compromisso. Vida com Deus é vida de compromisso. E não procure conselheiros, ninguém vai te entender. Se Deus te deu uma missão e você tem um compromisso com Ele, isso está acima de qualquer razão humana. Simplesmente eu tenho que fazer, mesmo que o mundo não entenda, tenho que fazer.

Eu escolhi isso para mim. Fui eu mesma quem escolheu. Há cristãos de vida simples, que apenas vão aos cultos nos domingos e evangelizam quando tem oportunidade. Eu escolhi uma vida diferente e gastei tempo com meu joelho no chão, correndo atrás de um propósito de vida maior, correndo atrás de ser instrumento afiado nas mãos de Deus para que Ele use como quiser. Max Lucado escreveu que Jesus escolheu os cravos. Por que eu deveria escolher uma vida simples?

Sou a estranha para os meus amigos. Aquela que se preocupa com coisas que não são deste mundo. Eu já quis fazer uma surpresa para Deus e fiquei triste por não poder distraí-lo na sua onisciência. Eu já perdi o sono tentando saber se o coração de Deus estava alegre ou triste com a humanidade. Eu já vivi muitas coisas diferentes na minha caminhada com Deus. Já tive coisas sobrenaturais acontecendo comigo. Quando conto, as pessoas riem, se espantam, se maravilham, mas nunca entendem. Ninguém tem mesmo que entender, hoje eu reconheço minha identidade e sei quem EU SOU é.

Meu problema atual é pensar na escolha que fiz e na vida que tenho levado. A quantas pessoas eu ainda vou eximir de uma maior intimidade com Deus simplesmente porque às vezes tenho vergonha de ser diferente? Não posso mais andar por esse caminho, afinal eu escolhi isso pra mim. Deus me confiou dons especiais porque eu aceitei o preço. Simplesmente, já não posso mais questionar a soberania de Deus sobre a minha vida. Ele me perguntou se eu queria tornar o Seu nome conhecido na Terra e eu disse SIM…

A cozinha de Deus

Vegetais

Quem nos separará do amor de Cristo? a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? (Rm. 8:35)

Viver com Deus é como ver um grande cozinheiro em ação.  Ele vai preparando pratos maravilhosos com coisas que jogaríamos fora ou não veríamos utilidade. Enquanto o cozinheiro trabalha, a gente não entende o porquê daquela pitada de açúcar ou a razão de pré-aquecer o forno, isso simplesmente não nos importa. Só depois de nos deliciarmos é que pensamos “como será que se prepara isso”?

Bem, eu estive pensando em coisas que eu aprendi esse ano:

* O casamento é presente de Deus para nos abençoar;
* Ter uma geladeira em casa é uma bênção enorme;
* Renatinho estava certo: uma pessoa, um copo; (acessem o Renatinho)
* Viver a dois não é ser perfeito, mas é ser verdadeiro;
* Eu sou o único limite para o que Deus quer fazer na minha vida: e eu vou vencer o meu limite!

Essas lições foram pratos que Deus preparou para mim, a outros talvez não seriam tão saborosos. Produzi-los não foi simples. Deus trabalhou na sua cozinha, que no caso foi a minha vida.

Eu sempre digo que na minha Bíblia não diz “viva com Deus e terás uma vida feliz e sem problemas”. A minha Bíblia diz “no mundo tereis aflições” (Jo. 16:33), “o caminho é estreito” (Nm. 22:26), mas “os justos verão a ruína dos perversos” (Pv. 29:16).

As receitas que Deus usou para que eu provasse desses maravilhosos pratos incluíram ingredientes como vergonha, calúnias, humilhação, traições, desonra e tantas outras aflições. Mas eu permaneço firme na rocha. Eu sei que nada vai mudar em relação ao amor que meu Pai tem por mim e eu por Ele. Nada pode me separar desse amor (Rm. 8:35). Eu sei em quem tenho crido e tenho certeza absoluta de que o céu é o meu lugar. Se você estiver também passando por tribulações, lembre-se disso.

Certeza da salvação é para mim consequência de um estilo de vida em retidão. Eu vivo assim porque esta é a minha escolha há muitos anos. Eu escolho ser cozida, assada, frita, até mesmo moída se for necessário para que a minha vida ofereça aroma agradável ao Senhor. Ele sabe dessa minha disposição, por isso eu pago o preço que pago de sacrifício para estarmos juntos.

Esse é o sentido da vida humana, glorificar a Deus mesmo no sacrifício. E o que era mais doloroso para mim aconteceu. Perdi a pessoa que era a mais importante da minha vida e fiquei sem o meu maior sonho. São as minhas tribulações a fim de vencer esse mundo. Eu escolhi viver assim. E você? O que você escolheu para a sua vida?

Erros humanos

homem andando

Deus é a minha grande fortaleza e ele torna perfeito o meu caminho. (2Sam 2:23)

Primeiramente quero agradecer a todos os emails recebidos de apoio. Nunca imaginei tantas pessoas me fortalecendo em amor, em oração, com palavras abençoadas. É certo que atravesso um momento delicado, mas Deus é maior e ele torna meu caminho perfeito.

Será mesmo que eu consigo viver com intensidade na minha vida tudo que eu revelo aqui? Recebi uma crítica assim. Bem… de fato eu não sei. Eu sei que os meus joelhos conhecem o chão do meu quarto. Sei que nunca me cansei de orar pela minha vida. Quando tive um marido ao meu lado, orei por ele, pela vida dele, pelos propósitos de Deus na vida dele, orei pelo meu casamento, orei pelas lutas que enfrentávamos, orei para que Deus me desse força e uma oração que eu sempre fazia era para que Deus aumentasse meu amor por ele, pois em amor, eu cria que venceria e suportaria tudo. Orei sem ele saber e me comprometi verdadeiramente com Deus. Bem… Deus foi fiel em me atender, tanto que depois de tudo que vivi e sofri, exerci o perdão com facilidade. Se agora um divórcio for o melhor caminho, amém por isso também. Eu não me preocupo mais, pois sei que vou para o céu.

Sei que quando Deus separa uma mulher para um propósito como o meu, as lutas vem. Sei que quando Deus separa um homem para o propósito que ele separou meu esposo, as lutas vem. Quando se forma um casal assim, com chamado, é bem difícil. Nem sempre a gente consegue suportar todas as lutas, todas as rejeições, todas as humilhações. Fiquei sem família, sem casamento, sem amor. Não resistimos as lutas, cada um caiu em sua própria fraqueza. Mas eu sei que Deus teve um propósito em nos unir de uma forma tão especial. Eu lamento mesmo meu fracasso, lamento ao Senhor, pois eu me dispus a ser instrumento, Deus estava me afiando e eu não consegui alcançar o momento de ser usada.

Eu tenho meus defeitos. Às vezes me entristeço diante de Deus por não corresponder a tudo o que ele queria. E o bom é ler na sua palavra que os erros são humanos, perfeito é somente o Pai. É nessa mansidão que sigo, vivendo dia após dia na certeza de que a vitória já me foi dada na cruz e que não sou desse mundo, apenas aguardo o momento de estarmos juntos novamente, o Paizinho e eu.

Deus trabalha no silêncio

Eu é que sei...
Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança. (Jer. 29:11)

É fato que Deus nunca gostou de murmuradores. Israel ficou 40 anos percorrendo um trecho de 40 dias porque a boca do povo não se fechava. Deus estava trabalhando e eles permaneciam questionando, curiosos, aflitos, temerosos, dubitantes. Não adiantou nada na vida do povo escolhido, porque adiantaria alguma coisa eu, que sou parte do povo remido, reclamar da minha condição?

Achei que tinha realizado o sonho da vida e, de repente, a tragédia abocanha tudo. Agora, é marco zero. De novo esperar por um homem especial, com quem terei uma família e um ministério… essa história de sempre por toda a vida… E o negócio é que eu acredito mesmo. Eu acredito nas coisas de Deus, porque o jeito dele trabalhar é em mistério, é no silêncio.

Se não fosse, Jesus não teria nos aconselhado a não usar de vãs repetições nas orações. Não é de muito falar que somos ouvidos em nossas súplicas. (Mt. 6:7) A minha Bíblia conta de um Deus que sonda o meu coração e vê os meus desejos antes mesmo de eu contar a Ele o que eu desejo. (Sl. 139) A minha Bíblia conta de um Deus que trabalha para me dar além do que pode se passar na minha mente e no meu coração. (1Co 2:9)

Então, eu aprendi assim, que Deus trabalha enquanto eu faço silêncio. Ele faz e eu espero calada. É sempre assim que funciona e é assim que vai ser.

Referências bíblicas:
E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos. (Mt. 6:7)
Senhor, tu me sondas, e me conheces. (…) Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó Senhor, tudo conheces. (Sl. 139:1 e 4)
Mas, como está escrito: As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. (1Co 2:9)

Acasos que não são acasos

Ontem saí para pagar umas contas. No trajeto de ida, conversei com uma pessoa bacana, uma moça muito animada. Sabe aquelas amizades relâmpago? Pois então, conversa boa, gostei.

Pois não aconteceu que quando cheguei ao banco, eu tinha esquecido o dinheiro de pagar as contas em casa? Já não havia tempo nem o que fazer. Decidi voltar para casa. Foi no trajeto de volta que eu percebi porque tinha esquecido a conta, não foi ao acaso.

Sentei-me no ônibus de volta. Uma mulher estava sentada ao meu lado lendo uma revista de horóscopo, detendo-se, principalmente, nas simpatias e dicas para o amor. Sabia que isso não estava certo e algo dentro de mim me incomodava para falar com ela.

Geralmente, eu reluto bastante. Costumo me comover, mas não me mover. Mas esse dia foi diferente, eu me movi. Dentro do que o Espírito Santo me direcionou, fui conversando com ela e aconselhando a buscar a direção de Deus ao invés dos astros.

Uau!! Não foi nada por acaso, eu tinha mesmo que esquecer o dinheiro… Deus é mesmo fantástico! Agora preciso tirar de novo um tempo para pagar as contas rs…

O Benefício da Mansidão

Pois eis que estava eu domingo passado (05/07) na comunidade de religiosos ouvindo um sermão sobre ser manso, pautado em Mateus 5:5 “Bem aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”. Ouvi exemplos de mansidão, de Moisés, homem mais manso que andou por aqui, a Paulo e Jesus.

Eu não ainda não sou capaz de tanta mansidão. Eu não sei ficar calada quando a minha ferida dói. Eu preciso gritar quando me ferem. Eu ainda não sei ser mansa. Eu poderia negar aquilo que está recalcado dizendo que não me importo, que a minha herança está fora dessa terra. Mas dessa vez eu me importei.

Não se pode levar um ministério sem mansidão, porque a mansidão é sinal da mais profunda dependência de Deus, que somente um coração obediente tem. Ouvi que certo missionário estava de mudança para Moçambique, retornando para o campo que havia aberto lá ano passado. Ele tinha apenas a passagem. Não tinha casa ou móveis esperando por ele em Moçambique. O salário prometido seria rateado entre irmãos da congregação africana. Pensei em como isso era ser manso. Não reclamar de Deus nem duvidar da sua provisão, cegamente ir de encontro ao propósito de Deus na sua vida. Alguns disseram que esse missionário era um escolhido de Deus, ao que ele retrucou: “não sou escolhido, eu apenas tenho um chamado, um Ide que eu não posso negar e tenho que cumprir.”

Vergonha. Fiquei com um pouco. Bem pouco. Porque se eu tivesse mesmo vergonha, estaria fazendo o mesmo. Mas nem mansidão eu tenho ainda… esse benefício me está pendente…

Eu vou vencer

Paizinho,

Sei que às vezes minhas palavras saem como choro
Não era bem assim que eu queria que fossem
Mas é assim que eu estou conseguindo orar nesse momento
Minha alma soluça de angústia

Até mesmo os meus se levantam contra mim
De todas as partes setas de insegurança procuram me atingir
Todo o tempo tentam destruir meu sonho
Tramam contra a Tua identidade em mim
Porque se eu duvidar e desistir, negarei a Ti

Ajuda-me Paizinho
Mantenha sua mão sobre mim
Obrigada pela proteção e o cuidado
Obrigada pela força durante essas provações
Obrigada porque tua provisão é comigo
Eu creio em ti, Paizinho,
Eu vou vencer!