Música para orar

Na comunidade que eu frequento disseram que viram em mim algo pra liderar o que chamam de ministério de louvor. Claro, recusei. Mesmo assim me consideram líder do movimento. Lá cantam as canções gospel, poucas vezes se cantam hinos. Bem, já que eu posso dizer e ser ouvida lá, taxativamente disse que no templo da congregação não cantaríamos músicas que não fossem bíblicas.

Existem músicas pra pular, pra celebrar qualquer energia que você queira extravasar. Essas que falam de fazer o inferno tremer ou de pular na cabeça do diabo. Ótima para isso. Ouça na sua casa, no templo cantemos as músicas que têm base bíblica, porque no templo não há apenas cristãos maduros desenvolvendo intimidade com Deus, há também os que estão chegando agora para a luz. Esses precisam de canções que os ajudem a compreender e a esconder  a Palavra de Deus nos seus corações. Fora do templo, eu digo que se pode ouvir de tudo. A boa música para orar é aquela que comove o seu coração ao constrangimento do arrependimento e da intercessão.

Posso ouvir um rap sobre a dura realidade da vida e ser levada a orar em favor dos que sofrem com as desigualdades sociais. Posso ouvir uma música sertaneja sobre o amor entre um homem e uma mulher e ser levada a orar pelos casais que conheço em intercessão. Posso ouvir um funk que exalte o sexo fora do casamento e ser levada a interceder pela vida dos cantores, compositores, músicos e fãs. Posso ouvir uma música gospel sem fundamento bíblico e ser levada ao arrependimento por compreender o sentimento poético do compositor em relação à sua vida cristã. Posso ouvir uma recitação do Alcorão e ser comovida a orar em favor de missões.

É claro que não precisamos de música para orar, aliás muita gente hora sem música alguma e isso vem dando certo há muitos séculos. Mas às vezes me perguntam sobre isso, então digo que música para orar é qualquer uma que te ajude a conectar seu espírito ao Espírito Santo de Deus. Sem restrições ou preconceitos. Não é a música em si, é o efeito que ela causa em você, é o quão sensíveis estão seus ouvidos para ouvir o clamor que existe por trás de cada música, seja ela cristã ou não.  Se isso te contamina, se domina a sua alma, se você perde o prazer pelas músicas cristãs, se te impede de louvar a Deus genuinamente com canções que o exaltem, então isso não te convém. Mas se a música secular te passa uma mensagem de oração, então ela te faz bem e te traz a um nível de intimidade e constrangimento pelos que se perdem nas trevas, e quem sabe além de te comover, ela não pode até mesmo te mover…

Anúncios

Como resolver o problema?

“Então subiu dali a Betel; e, subindo ele pelo caminho, uns meninos saíram da cidade, e zombavam dele, dizendo: Sobe, calvo; sobe, calvo! E, virando-se ele para trás, os viu, e os amaldiçoou em nome do Senhor. Então duas ursas saíram do bosque, e despedaçaram quarenta e dois daqueles meninos. E dali foi para o monte Carmelo, de onde voltou para Samaria.” (2 Rs. 2:23-25)

Há dois tipos de problema: os que tem fim e os que não tem. Hoje vou falar sobre os problemas que podem ser resolvidos, pois eles são a maioria em nossa vida. Da próxima vez falarei dos problemas sem fim.

Os meninos nessa passagem são rapazes com cerca de 20 anos, não eram crianças, mas jovens idólatras. O mesmo termo é usado em outras passagens com sentido de moços, jovens.  (Gn. 22:12, 37:2 e 1Rs. 20:14-15)

Talvez Eliseu fosse mesmo calvo, ou tivesse raspado a cabeça em voto ou talvez sequer fosse careca, mas chamar alguém de calvo era uma ofensa grave naquele tempo. A calvície era encarada como uma desgraça (cf. Is. 3:17-24). Os rapazes estavam zombando de Eliseu, gritando para que ele subisse como Elias havia subido, sendo trasladado para o céu. Estavam desafiando o poder que havia em Eliseu.

Não se deve blasfemar contra Deus ou contra o poder de Deus. Não se deve zombar das pessoas que foram levantadas para fazer a obra de Deus. Não se deve permitir que ninguém zombe do nome de Deus. Devemos respeitar os que estão trabalhando para Deus. O que fazer então?

O PROBLEMA – Eliseu estava fazendo a obra de Deus, estava caminhando de uma cidade para outra, porém havia pessoas que se levantavam para atrapalhar ao invés de ajudar. Todos os que são escolhidos por Deus para cumprir um determinado propósito enfrentam situações parecidas, em que pessoas se levantam para zombar, criticar, apontar seus defeitos, colocar seu ministério a prova.

A SOLUÇÃO – Eliseu resolveu o problema de uma forma muito simples: Esperou pela justiça de Deus e, mesmo enfrentando o problema,  ele avançou.

1) ESTAR COM DEUS – Eliseu estava sozinho e era minoria diante dos 42 rapazes, mas estava com Deus, Eliseu obteve a vitória do seu problema. Não é a quantidade de pessoas ao seu redor que fará diferença no seu ministério, é a presença de Deus.

2) ORAR SEM CESSAR – Há poder nas nossas palavras (Tg. 3:8). Eliseu amaldiçoou os rapazes, provavelmente pedindo que Deus os castigasse da maneira como o Senhor achasse melhor, e Deus o ouviu e o respondeu.

3) IR EM FRENTE – Na hora da dificuldade, devemos prosseguir direto para o alvo. Continuar andando no caminho que nos foi traçado por Deus e não voltar atrás. Eliseu continuou andando para Samaria. Devemos permanecer com os olhos em Cristo e andar na trajetória divina para nossas vidas.

Se você gostou, recomendo ler também: Problemas sem fim