Os Encavernados

Muitos personagens bíblicos passaram por momentos em que precisaram se refugir em uma caverna. Escondendo-se do mal que se aproximava, remoendo a vergonha dos pecados cometidos, repassando a caminhada com Deus, por diferentes motivos foram encavernados. Talvez o objetivo nem fosse encontrar-se com Deus, mas é inevitável consequência. Vamos analisar dois encavernados, Elias e Davi.

Elias tinha um problema. Ele vinha passando por enfrentamentos no seu ministérios, todos os profetas haviam sido mortos e ele era o último que restara. Ele orou entregando sua vida a Deus, se sentia um fracassado, apesar de não ter cometido nenhum pecado. (1 Reis 19:3) Deus então enviou um anjo para tocar Elias e o alimentar. Mesmo assim, Elias quis esconder-se dos israelistas pagãos que o tentavam matar. Elias quis se encavernar. Deus lhe perguntou “O que você está fazendo aqui, Elias?” (1 Reis 19:8-15). Para sair da caverna, Elias falou diretamente com Deus, que o tirou de lá e o conduziu pelo deserto para cumprir seu propósito de vida profética.

A caverna era um lugar de tristeza. Davi tinha um problema. Após o casamento de Davi com Mical, Saul viu que Deus estava com Davi e por isso o temeu. Se tornou seu inimigo e desde então planejava matá-lo. Davi quis se encavernar. Em 1 Samuel 22:1-2 temos que Davi em fuga de Saul se esconde numa caverna onde se ajuntam com ele homens em dificuldades, endividados, amargurados de espírito e insatisfeitos. Era esse tipo de pessoa que se encavernava. E na caverna Davi compôs o Salmo 142, levantou um clamor ao Senhor por ajuda diante dos inimigos. Para sair da caverna, Davi falou diretamente com Deus (Salmo 144:1-2).

Aconteceu com Elias, um profeta ímpar na história de Israel. Aconteceu com Davi, rei, adorador, um homem segundo o coração de Deus. Acontece com muitos de nós quando passamos por grandes dificuldades, quando nos entristecemos ou não sabemos como agir. Nos refugiamos em cavernas espirituais, nos isolamos. Quando muito, procuramos a companhia de outros encavernados, pessoas que carregam também o espírito amargurado, que estão tristes como nós estamos.

E o que aprendemos com os encavernados? Podemos nos esconder dos problemas, mas isso não os fará se resolver. O problema de Elias só foi resolvido quando ele  falou diretamente com Deus. O problema de Davi só foi resolvido quando ele falou diretamente com Deus. Nossos problemas só serão resolvidos quando falarmos diretamente com Deus.

Mudando por dentro

Agora já não dói ter amado quem nunca me amou. Agora meu sorvete preferido é o de frutas vermelhas e não mais o de flocos. E minha cor favorita agora é pêssego e não roxo. E minha sandália preferida é a de salto de 15cm e não mais rasteira. Minha bolsa preferida é Louis Vuitton e não mais qualquer uma da feira. Meu perfume favorito é Victoria Beckham e não mais os de O Boticário. Minha maquiagem preferida é completa e não mais básica. Meu namorado preferido é aquele que me ama, não mais o que só eu amo.

Bíblia eu gostava de ler 20 capítulos por dia em uma única tradução, agora prefiro ler dois por semana em cinco ou seis traduções diferentes. Igreja eu gostava de ir para aprender sobre Deus, agora vou para ver meus amigos. Projetos da igreja eu gostava de me envolver, agora gosto só de ajudar. Discípulos eu gostava de aconselhar, agora gosto só de sair com eles. Deus eu gostava de conversar sobre meus problemas, agora gosto de agradecer tudo que já alcancei.

A gente muda, amadurece. Princípios, conceitos, costumes, crenças, opiniões, gostos. Tudo é suscetível ao tempo. Me perguntaram se eu caso de novo. Acho que não. Casamento nunca foi um projeto que tive, eu só queria morar junto. Agora, eu tenho alguém que adora morar junto comigo. É suficiente para mim. Minha conclusão é de que errado é ter uma vida promíscua ou adúltera. Viver ao lado de quem você tem um compromisso me parece certo desde que Isaac levou Rebeca para a tenda. Formalidades nunca foram necessárias na Bíblia, eram opcionais.

Eu estou gostando assim, está me fazendo um bem danado e vai tudo bem comigo e Deus. Porque eu posso mudar o quanto for necessário na minha caminhada, eu já tenho identidade. Já sei quem EU SOU, tenho identidade de filha. E também não importa o quanto eu mude, minha identidade de filha não vai mudar, porque Deus não vai mudar comigo, será sempre meu EU SOU.

Seguidor de Jesus

Hoje em dia as pessoas estão seguindo umas às outras via Twitter. Fácil né? Não tem que se expôr perante a sociedade, pode usar um apelido e seguir quem você quiser. Não dói. Não mata. Seguir a Jesus é diferente. Tem que se expôr, dói e mata.

“Depois disse a todos: — Se alguém quiser ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto cada dia para morrer como eu vou morrer e me acompanhe.” (Lucas 9:23 – NTLH)

O seguidor de Jesus é alguém que tem um nível de maturidade espiritual tão grande, que já se apresenta diante do trono de Deus como filho, não pelo que ele é, faz ou tem, mas pelo favor alcançado no nome de Jesus Cristo. Importa não o que você fala diante de Deus, importa quem você é. Falar até papagaio fala. Importante é se você age como seguidor de Cristo, ou não. E não tem jeito melhor de seguir Jesus do que fazer como Ele mesmo ensinou.

1- Renunciar a si mesmo: Nascemos pecadores, viemos de um estilo de pensamento que contraria a vontade de Deus e constantemente convertemos nossos pensamentos em atitudes, e nossas atitudes revelam nossa identidade. Por isso é preciso esquecer nossos próprios interesses e fazer muitas vezes aquilo que não gostamos, como Moisés que não gostava de falar em público, ou fazer aquilo que não queremos, como Jonas em Nínive, ou até mesmo aquilo que não sabemos, como Noé construindo a arca. Importa é se fazemos a vontade daquele que nos enviou.

2- Estar pronto para morrer: Isso é tomar a cruz. Viver o dia de hoje como o dia da salvação e estar pronto para o ser chamado aos céus todos os dias. Devemos anunciar o Evangelho para que as pessoas busquem ao Senhor enquanto se pode achá-lo. Levar sua cruz é ter conhecimento dos princípios, do certo e do errado, e agir com um procedimento reto como é o procedimento do reino dos céus.

3- Acompanhar Jesus Cristo: É preciso estar ligado a Jesus, desenvolver atitudes que combinem com um seguidor de Jesus. Oração diária, tempo reservado em secreto com Deus, leitura da Bíblia e de livros que ajudem a compreender a mensagem bíblica.

E por quê eu disse que expõe, dói e mata? A partir do momento que você rejeita seus próprios interesses, você se expõe e é questionado pelos que estão próximos a você. Isso pode se converter muitas vezes em isolamento, rejeição e perseguição por parte daquelas pessoas que você tanto ama. Dói porque quebrar nosso orgulho e nos humilhar é contrariar a vontade da nossa carne, não nascemos prontos pra isso, precisamos ser transformados dia a dia pelo Espírito Santo. Mata porque aprendemos a estar prontos para morrer como Cristo e deixamos de viver nossa própria vida, para desenvolver a vida de Cristo em nós.

Hoje eu estou morrendo porque não queria escrever um artigo, mas Deus me deu todas as condições e oportunidades necessárias. Sei que devo fazer. É a vontade do Pai para mim hoje. Mas fazê-lo me custa e me dói. E você? Como está morrendo hoje?

Alegria no sofrimento

“Não fiquem admirados com a dura prova de aflição(…), pelo contrário, alegrem-se por estarem tomando parte nos sofrimentos de Cristo, para que fiquem cheios de alegria quando a glória dele for revelada.” (I Pedro 5:12-13 NTLH)

Ando sumida. Meu namorado me faz bem. Eu até escrevo, mas não publico. Prefiro ter o tempo livre a pensar nele rs… Mas ainda estou respondendo os emails, um pouco devagar, mas responderei um por um. Hoje quero falar sobre alegria, porque ando muito alegre. Alegria boa é a aquela vinda de termos parte nos sofrimentos de Cristo.

Quando somos afligidos dói. Quando estamos passando pela dura prova da aflição, a alegria é uma dimensão que perdemos. Mas pela fé sempre cremos em dias melhores e esses dias são quando a glória de Cristo é revelada por meio de nós. Podemos falar muito, mas o que nos levará a desenvolver maior intimidade com Deus são nossas atitudes. O que fazemos durante a prova de aflição, o testemunho vivo que somos para o mundo é que determina a nossa caminhada.

Se hoje vivo momentos de alegria, é porque vivi momentos de sofrimento com Cristo. A alegria que vivo foi gerada no sofrimento. Pode não ser o seu caso, mas é explicitamente o meu caso. Nas áreas em que fui afligida, é onde a glória de Cristo tem sido revelada e hoje tenho alegria. 

O amor que me desafia

Dias atrás ouvi na comunidade de religiosos algo sobre o amor de Deus nos desafiar. Quando o moço rico perguntou a Jesus o que ele precisava fazer para ser salvo, Jesus o desafiou no nível do que era difícil para ele. Ele já obedecia aos mandamentos, mas ficou triste quando foi desafiado a vender o que tinha e doar aos pobres. Era difícil para o moço rico abrir mão da vida material confortável que ele levava. (Mateus 19:16-22)

Fiquei pensando no amor que me desafia. O que é que eu mais amo e que Deus me chama a deixar? O que me impede de servir a Deus? Qual é o meu desafio? O que eu mais gosto é de não ter problemas para resolver e viver uma vida de rotina. Todo dia fazer tudo igual, como na música “Cotidiano” do Chico Buarque. Vidinha simples. Coisa que eu realmente queria. Tudo bem. Isso não é muito, mas é de verdade o que eu mais gosto. E por essa vidinha rotineira, deixo até de ler a Bíblia e de orar. Só pra tudo ficar tranquilo todo dia, porque ler a Bíblia sempre me traz questões. Porque orar faz a gente rever as atitudes erradas, faz perder a tranquilidade. Aí até que fez sentido o tantão de problemas que eu vivo tendo que resolver.

Se tenho problemas a resolver, não consigo tocar em frente a vidinha rotineira. Sou obrigada a agir. E o campo da ação é o local que Deus mais gosta de me levar pra aprender. Aí fiquei pensando nisso, em como Deus nos ama, me emocionei. Ele nos ama tanto, que nos dá problemas para que possamos aprender. Se eu tenho problemas demais, é porque recebo amor demais. Uau! Como Deus me ama! Fiquei feliz.

Como entender a Bíblia

Conheço muitas pessoas que começam a ler a Bíblia e logo desistem porque acham difícil. Algumas desistem e nunca mais tentam novamente, vão completando anos de vida cristã sem nunca ter lido o livro sagrado inteiro.

Domingo eu estava na comunidade de religiosos apresentando meu digníssimo boyfriend quando o pastor lia a passagem de Lucas 24 sobre o Cristo ressuscitado reaparecendo aos seus discípulos. A partir do verso 36, o Senhor Jesus ministra aos seus discípulos a PAZ, a FÉ (vs. 39-43), o ENTENDIMENTO (vs. 44-48), o PODER (vs. 49), a GRAÇA (vc. 50 e 51) e a ALEGRIA (vs. 52 e 53).

Os discípulos conheciam as Escrituras, mas não as compreendiam. Faltava-lhes a revelação. A Bíblia diz, então, que Jesus Cristo abriu o entendimento dos discípulos para que compreendessem as Escrituras.

Se você está nessa batalha de ler a Bíblia e pouco está compreendendo, peça ao Senhor Jesus que abra o seu entendimento, pois com  a nossa própria sabedoria não podemos alcançar as revelações, precisamos pedir da sabedoria divina.

Sobre esse assunto, leia também: Como ouvir e praticar a Bíblia

Atitude certa para vencer

Primeiro gostaria de lembrar algo que eu aprendi com minhas lutas: vencer não significa ter o que você queria, mas ter o que Deus planejou para você. A atitude certa para vencer é a que envolve nossa fé e nossas ações. Sim, vou insistir nisso. A minha Bíblia conta de várias pessoas que perderam a bênção de Deus na sua vida porque tinham uma fé sem ações, eram tementes a Deus, mas fizeram escolhas erradas. Ló no seu percurso com Abraão escolheu ir para Sodoma e Gomorra. Caim escolheu desobedecer a Deus nas ofertas. Acabe cobiçou a vinha de Nabote.  Davi adulterou com Bate-Seba. Esaú vendeu sua primogenitura. Todos sofreram as consequências de servir a Deus, mas agir no sentido contrário à sua fé.

Deus age através da nossa fé. A fé sem a atitude correta pode ser frustrada. Na hora das escolhas difíceis da vida, na hora de vencer as tentações, devemos ter a mente cheia dos ensinamentos de Deus, para vencer as provas do nosso caráter. Alguém me disse uma vez que é preciso viver uma vida de águia e não uma vida de galinha. Olhar as coisas do alto, como Deus as vê, com a perspectiva de que o socorro virá do Senhor e ver o que está distante. Não ficar olhando só para baixo, como faz a galinha, ciscando migalhas e farelos. Na hora difícil devemos estar de pé e entrar na dependência do Senhor.

Além do campo das intenções

Muitas vezes temos fé que vamos alcançar um objetivo. Apresentamos diante de Deus nossas intenções como em Salmo 37:5. E ficamos sentados esperando colher o que nem plantamos. Sim, sem fé não é possível agradar a Deus. Porém é preciso sair do campo das intenções e ir para o campo das ações. Deus nos testa para saber o quanto nós O amamos. A ideia não é que você vá e faça o serviço de Deus, nem que tente dar uma ajudinha.

Tem pessoas tentando ajudar a Deus. Li outro dia num anúncio de site de relacionamento evangélico: O primeiro passo é orar, o segundo é procurar. Vai nessa. Vai procurando que você acha. Isso não é ajudar a Deus, é fazer por si mesmo, de forma incompleta, imperfeita e efêmera, como tudo o que nós fazemos. Mas quando Deus age e faz é completo, perfeito e pleno, como tudo que ele faz.

O que Deus espera além de nossas intenções, são nossas ações que provem o quanto nós O amamos. Ações de bom testemunho, ações de passar o deserto louvando, ações de plantar com lágrimas, ações de amar ao próximo que te fere, ações de sacrificar nosso orgulho, nossa vontade, nossos interesses. Foi preciso que Abraão fosse além do campo das intenções para ser reconhecido como pai da fé. Ele creu contra a prova, ele ofereceu o próprio filho em sacrifício, foi fiel a Deus em tudo. Ele teve ações.

Muitas pessoas que eu conheço acham que ter fé é desejar intensamente. Isso para mim é a teoria do pensamento forte e positivo em sua mente para mudar as circunstâncias. Misticismo puro. A minha Bíblia é clara ao dizer que a fé sem obras é morta. Assim, o que Deus quer de nós é que não fiquemos presos ao campo das intenções, mas que vamos às ações que anuncie o Seu nome por meio das nossas vidas, nem que seja descer pelo telhado, subir na árvore, tocar na orla do manto, derramar óleo, gritar  na rua… Milagres na Bíblia estão repletos de ações de fé!

Vencendo as aflições desse mundo

Fim de ano nos convida a refletir. O dia de anos da menina vai chegando e, como sempre, ela não quer deixar de ser menina do Pai. Fiquei pensando em tudo que passei esse ano. Uma história de amor que se acabou, um casamento complicado, um verdadeiro problema sem fim e a minha decisão de divórcio contrariando meu sonho dourado de princesa de me casar pra ser feliz para sempre. Às vezes eu chorava, mas na maior parte do tempo eu orava, jejuava e buscava a comunhão de mulheres cristãs fervorosas que batalharam ao meu lado durante toda a trajetória. Sim, amigas são importantes. Virtuais e reais. Elas me ajudaram a seguir em frente. Se eu fosse do tipo que se conserta, eu iria lá na frente da comunidade de religiosos dar meu testemunho de “ano novo, vida nova”. E depois cantaria “Eis me aqui“, do Diante do Trono. Estava pensando nessa canção quando escrevi. Mas como estou de danura marcada e confirmada com o inglês que mudou minhas perspectivas, não vou. Mas eu escrevi e vou postar aqui.

Há momentos em que o inimigo vem contra nós com tanta sede de matar, roubar e destruir que a escuridão nos rodeia em todos os aspectos da nossa vida. Foi assim quando houve brechas no lar que eu tive. Nas horas mais difíceis, lâmpada para os meus pés foi a Palavra do Senhor e luz para os meus caminhos. Li a Bíblia inteira. A cada trinta dias.

Quanto mais nos deixamos rendidos a Deus, mais Ele fala conosco. Deus fala, mostra e age em nosso favor quando não temos mais forças, porque o seu poder se aperfeiçoa na nossa fraqueza. Sempre digo que na minha Bíblia não existe uma promessa de viver feliz e tranquila aqui na Terra. Pelo contrário, já li muitas vezes e lá diz que em Jesus Cristo nós somos mais do que vencedores, que teremos muitas aflições nesse mundo, mas que posso ter bom ânimo, Jesus já venceu o mundo e somos co-herdeiros com Cristo. Era nisso que eu acreditava durante a minha luta, que com Jesus eu venceria mesmo que fosse apenas lá no céu.

Podemos verdadeiramente nos alegrar em qualquer circunstância, na certeza absoluta de que nossa dor é leve e momentânea e gera para nós eterno peso de glória. Dá para ser feliz em meio às tribulações. Eu vivi isso esse ano. A alegria do Senhor foi a minha força. Nós somos e vivemos os planos de Deus para que o mundo conheça a Cristo pelo nosso testemunho. Esse é o objetivo das nossas vidas: tornar o nome de Jesus Cristo conhecido entre as nações, mesmo que seja através da nossa dor. Então, pare de perguntar por quê você sofre sendo servo de Deus!

Eu acordava de madrugada para orar. Eu lia quarenta capítulos da Bíblia por dia. Eu jejuava toda semana. Eu fui fiel ao meu esposo. E daí? A glória não é minha, é do Senhor Jesus. Vida cristã não é uma apólice de seguros! Isso não me torna serva menos inútil diante do meu Rei. Eu passei pelas lutas da mesma forma. Porque eu sirvo a Deus. Porque Deus me honra nas lutas e me usa como instrumento para glorificar seu nome. Essa é a diferença. Nós sabemos por quê somos afligidos e sabemos que a dor e até mesmo a morte é lucro para nós. Passei por momentos difíceis, mas passei louvando a Deus, louvando a Deus, louvando a Deus. Quando alcançamos a vitória, mostramos que a luz de Jesus brilha sobre as trevas, assim, toda honra e toda glória pertencem ao Senhor.

O desespero dos virgens

Ando impressionada com a quantidade de virgens com os quais tenho conversado nos últimos dias que estão desesperados por vivenciar o sexo sem necessariamente passar pelo casamento, visto que casar anda difícil, complicado e efêmero. Amigas com menos de 20 anos, com mais de 20 anos, na faixa dos 30… Alguns poucos amigos nesse conflito – porque homem jovem virgem é coisa rara de se ver. Pelos ensinamentos religiosos, os jovens virgens estão confinados a uma vida reclusa e assexuada. Privados de se tocarem a si mesmos e de tocarem uns aos outros. Separados do mundo do sexo até que casem.

Às vezes penso que era mais fácil nos tempos bíblicos. Por isso a Bíblia está recheada de recomendações a favor do sexo no casamento. Na juventude, quando os desejos sexuais se manifestam mais intensamente, os pais já providenciavam o casamento. (Aliás, até pouco tempo atrás era assim. Pense em como seus bisavós se casaram!)

O jovem não passava pelo drama da rejeição nem pela insegurança da solidão, uma vez que a meta era expandir Israel casando-se entre o povo judeu. Simples assim. Mande buscar Rebeca para Isaque. Diferente de hoje, que fica moça orando pedindo um Isaque na sua vida, mas, desculpe, você não é Rebeca, não vai ser trocada por uma dúzia de presentes e casar sem conhecer o marido. O resultado podia até ser um casamento problemático como o de Lia, uma vez que Jacó amava Raquel, ou o casamento de Ana, que era atormentada por Penina. Mas certeza que sexualmente estava todo mundo equilibrado.

Já pensei muito nesse assunto. Sabe, conheço quem se casou virgem e mesmo assim enfrentou problemas no casamento na área sexual desde o primeiro ano de casamento. Geralmente se ensina a castidade como se fosse uma apólice de seguro contra todas as avarias no casamento e isso não é absolutamente real. Sequer é bíblico.

Aqueles que provaram o amor “com sabor de fruta mordida” são reprimidos e se sentem culpados de um pecado imenso, como se Deus olhasse o tempo todo para quem está na pornografia, na fornicação, na carnalidade, no adultério e olhasse só de vez em quando para quem está na mentira, no roubo, na hipocrisia, na idolotria, na desonra. Pecado é sempre pecado e deve ser igualmente confessado. Uma vez confessado, Deus lança no mar do esquecimento. É o indivíduo que se lembra, é a sociedade que se lembra, porque os frutos de toda semente lançada aparecem.

Hoje em dia já nem opino mais. Sou leitora da Bíblia, gosto de ler diferentes versões e atualmente estou lendo a Biblia Hebraica da Editora Sêfer por recomendação de um querido rabino. Muita coisa que se ensina hoje nas igrejas não passa de religiosidade e costume. Muita coisa que se deixa de ensinar hoje nas igrejas, só se aprende lendo a Bíblia. Como diria o humorista @IrmaGraceKelly “Se a gente é o que a gente come vou comer a Bíblia pra ser mais abençoada e ungida”.

Indicações de Leitura

Para finalizar, vou indicar leituras. Essa semana eu li um artigo legal. Não basta ter santidade e só vivenciar o sexo após o casamento. É preciso que o sexo durante o casamento seja em santidade, se não for, há legalidade para divórcio. Pelo Teólogo Ed René Kivitz: Sexo é tão santo quanto casamento. Indico também um site, que não é tão bom quanto era o Sexxx Church, mas o Site Não Morda a Maçã fala especificamente sobre sexualidade aos solteiros. Leia com moderação. E não tem nada a ver com o assunto, mas com atualidades do meio business gospel, o melhor post sobre o Festival de Promessas da Globo que eu li foi o do Oziel Alves, dispensa a necessidade de eu falar algo a respeito.