Agradecimento

image

 

Agradeço a todos os emails recebidos, todos os comentários, perguntas e broncas pelo sumiço. O fato é que desde que descobri que tenho asma e rinite, quase não escrevo nada, muito menos minhas reflexões da vida diária com Deus. Doente mesmo, sem condições de manter o blog atualizado toda semana. Mas esses últimos dois anos foram especiais para mim e eu vou querer lembrar disso daqui a alguns anos, mesmo que ninguém mais. É uma realidade que eu nunca vivi antes, eu não tenho dinheiro assim, nem minha família. O namorado me dá presentes realmente caros. Então é um universo completamente novo para mim, todas as festas, os lugares que vou com ele, os amigos dele, as viagens, tudo é diferente. Há dois anos atrás nunca imaginaria viver isso.

Eu sofri muito em meu antigo relacionamento, que nos seus momentos mais suaves, incluía adultério e mentiras. Já nos momentos críticos continha agressividade, furto do dinheiro da minha conta e carteira, venda dos meus livros e dos eletrodomésticos da casa, abandono. Era um caos.

Por isso, quem conhece meu namorado automaticamente gosta dele simplesmente pelo fato de entre ele e o ex haver um abismo imenso. E eu gosto mais ainda. Ele é extremamente educado, respeitoso, gentil, não tem como brigar com ele. Aliás, a gente não briga, ele simplesmente é um conciliador e encontra o ponto que agrada ambos. Viver com ele é viver numa sintonia incrível de compreensão e respeito. Procura a minha felicidade, se preocupa comigo de verdade, é generoso com todos, é atencioso com os amigos dele e com os meus e é muito querido pela minha família. É o tipo de pessoa que se não der certo pra casar, já é um grande amigo pro resto da vida.

E eu resolvi falar disso porque preciso me lembrar dos jejuns, propósitos, campanhas, orações que eu fazia nos tempos de crise que eu vivi no passado. Lembrar de como o chão do meu quarto conheceu meus joelhos.

Cada lágrima que eu derramei, não foi em vão. Hoje vivo honra sobre honra, de bênção em bênção. Tudo vai bem, tudo flui. Estou feliz, estou até mais bonita! Dou graças pelo relacionamento que tenho hoje. Pode ainda não ser o melhor de Deus para minha vida, mas é melhor do que minha condição anterior. Deus opera assim, pra que a gente cresça nas dificuldades e alcance a vitória.

Não sei o tipo de problema que consome a sua vida e a sua alegria, mas creia no poder transformador de Deus. Eu nunca duvidei que Deus me daria uma solução. As lágrimas derramadas diante de Deus nunca são em vão, como nos ensinaram Ana, Ester, Josué e tantos outros. Assim também são valorosos os jejuns que fazemos para que nossa alma aprenda a confiar em Deus, os propósitos que nos aproximam do estilo de vida bíblico, as campanhas que adestram nossa pequena fé. Tudo isso é manifestação da nossa adoração a Deus, do quanto admiramos o trabalho do Eterno nas nossas vidas e o quanto confiamos que Ele nos dará a graça necessária para enfrentar os problemas ou nos aliviará a carga quando aprendermos a lição. Creia!

De graça em graça no amor

Agradeço a todos os emails recebidos, todos os comentários, perguntas e broncas pelo sumiço. O fato é que descobri que tenho asma e rinite. Estou em plena crise, quase não escrevo meus artigos científicos, muito menos minhas reflexões da vida diária com Deus. Mas hoje é um dia dos namorados muito especial para mim e eu vou querer lembrar disso daqui a alguns anos, mesmo que ninguém mais leia.

No meu aniversário, meu namorado me deu um presente de R$ 10 mil. Agora ele está me dando um presente bem mais caro. É uma realidade que eu nunca vivi antes, eu não tenho dinheiro assim, nem minha família. Então é um universo completamente novo para mim, todas as festas, os lugares que vou com ele, os amigos dele, as viagens, tudo é diferente. Há um ano atrás nunca imaginaria viver isso. Eu sofri muito em meu antigo relacionamento, que nos seus momentos mais suaves, incluía adultério e mentiras. Já nos momentos críticos continha agressividade, furto do dinheiro da minha conta e carteira, venda dos meus livros e dos eletrodomésticos da casa, abandono. Era um caos.

Por isso, quem conhece meu namorado automaticamente gosta dele simplesmente pelo fato de entre ele e o ex haver um abismo imenso. E eu gosto mais ainda. Ele é extremamente educado gentil, não tem como brigar com ele. Aliás, a gente não briga, ele simplesmente é um conciliador e encontra o ponto que agrada ambos. Viver com ele é viver numa sintonia incrível de compreensão e respeito. Procura a minha felicidade, se preocupa comigo de verdade, é generoso com todos, é atencioso com os amigos dele e com os meus e é muito querido pela minha família. É o tipo de pessoa que se não der certo pra casar, já é um grande amigo pro resto da vida.

E eu resolvi falar disso porque preciso me lembrar dos jejuns, propósitos, campanhas, orações que eu fazia nos tempos de crise que eu vivi no passado. Cada lágrima que eu derramei, não foi em vão. Hoje vivo honra sobre honra, de bênção em bênção. Tudo vai bem, tudo flui. Estou feliz, estou até mais bonita! Dou graças pelo relacionamento que tenho hoje. Pode ainda não ser o melhor de Deus para minha vida, mas é melhor do que minha condição anterior. Deus opera assim, pra que a gente cresça nas dificuldades e alcance a vitória.

Não sei o tipo de problema que consome a sua vida e a sua alegria, mas creia no poder transformador de Deus. Eu nunca duvidei que Deus me daria uma solução. As lágrimas derramadas diante de Deus nunca são em vão, como nos ensinaram Anda, Ester, Josué e tantos outros. Assim também são valorosos os jejuns que fazemos para que nossa alma aprenda a confiar em Deus, os propósitos que nos aproximam do estilo de vida bíblico, as campanhas que adestram nossa pequena fé. Tudo isso é manifestação da nossa adoração a Deus, do quanto admiramos o trabalho do Eterno nas nossas vidas e o quanto confiamos que Ele nos dará a graça necessária para enfrentar os problemas ou nos aliviará a carga quando aprendermos a lição. Creia!

Mudando por dentro

Agora já não dói ter amado quem nunca me amou. Agora meu sorvete preferido é o de frutas vermelhas e não mais o de flocos. E minha cor favorita agora é pêssego e não roxo. E minha sandália preferida é a de salto de 15cm e não mais rasteira. Minha bolsa preferida é Louis Vuitton e não mais qualquer uma da feira. Meu perfume favorito é Victoria Beckham e não mais os de O Boticário. Minha maquiagem preferida é completa e não mais básica. Meu namorado preferido é aquele que me ama, não mais o que só eu amo.

Bíblia eu gostava de ler 20 capítulos por dia em uma única tradução, agora prefiro ler dois por semana em cinco ou seis traduções diferentes. Igreja eu gostava de ir para aprender sobre Deus, agora vou para ver meus amigos. Projetos da igreja eu gostava de me envolver, agora gosto só de ajudar. Discípulos eu gostava de aconselhar, agora gosto só de sair com eles. Deus eu gostava de conversar sobre meus problemas, agora gosto de agradecer tudo que já alcancei.

A gente muda, amadurece. Princípios, conceitos, costumes, crenças, opiniões, gostos. Tudo é suscetível ao tempo. Me perguntaram se eu caso de novo. Acho que não. Casamento nunca foi um projeto que tive, eu só queria morar junto. Agora, eu tenho alguém que adora morar junto comigo. É suficiente para mim. Minha conclusão é de que errado é ter uma vida promíscua ou adúltera. Viver ao lado de quem você tem um compromisso me parece certo desde que Isaac levou Rebeca para a tenda. Formalidades nunca foram necessárias na Bíblia, eram opcionais.

Eu estou gostando assim, está me fazendo um bem danado e vai tudo bem comigo e Deus. Porque eu posso mudar o quanto for necessário na minha caminhada, eu já tenho identidade. Já sei quem EU SOU, tenho identidade de filha. E também não importa o quanto eu mude, minha identidade de filha não vai mudar, porque Deus não vai mudar comigo, será sempre meu EU SOU.

Alegria no sofrimento

“Não fiquem admirados com a dura prova de aflição(…), pelo contrário, alegrem-se por estarem tomando parte nos sofrimentos de Cristo, para que fiquem cheios de alegria quando a glória dele for revelada.” (I Pedro 5:12-13 NTLH)

Ando sumida. Meu namorado me faz bem. Eu até escrevo, mas não publico. Prefiro ter o tempo livre a pensar nele rs… Mas ainda estou respondendo os emails, um pouco devagar, mas responderei um por um. Hoje quero falar sobre alegria, porque ando muito alegre. Alegria boa é a aquela vinda de termos parte nos sofrimentos de Cristo.

Quando somos afligidos dói. Quando estamos passando pela dura prova da aflição, a alegria é uma dimensão que perdemos. Mas pela fé sempre cremos em dias melhores e esses dias são quando a glória de Cristo é revelada por meio de nós. Podemos falar muito, mas o que nos levará a desenvolver maior intimidade com Deus são nossas atitudes. O que fazemos durante a prova de aflição, o testemunho vivo que somos para o mundo é que determina a nossa caminhada.

Se hoje vivo momentos de alegria, é porque vivi momentos de sofrimento com Cristo. A alegria que vivo foi gerada no sofrimento. Pode não ser o seu caso, mas é explicitamente o meu caso. Nas áreas em que fui afligida, é onde a glória de Cristo tem sido revelada e hoje tenho alegria. 

O amor que me desafia

Dias atrás ouvi na comunidade de religiosos algo sobre o amor de Deus nos desafiar. Quando o moço rico perguntou a Jesus o que ele precisava fazer para ser salvo, Jesus o desafiou no nível do que era difícil para ele. Ele já obedecia aos mandamentos, mas ficou triste quando foi desafiado a vender o que tinha e doar aos pobres. Era difícil para o moço rico abrir mão da vida material confortável que ele levava. (Mateus 19:16-22)

Fiquei pensando no amor que me desafia. O que é que eu mais amo e que Deus me chama a deixar? O que me impede de servir a Deus? Qual é o meu desafio? O que eu mais gosto é de não ter problemas para resolver e viver uma vida de rotina. Todo dia fazer tudo igual, como na música “Cotidiano” do Chico Buarque. Vidinha simples. Coisa que eu realmente queria. Tudo bem. Isso não é muito, mas é de verdade o que eu mais gosto. E por essa vidinha rotineira, deixo até de ler a Bíblia e de orar. Só pra tudo ficar tranquilo todo dia, porque ler a Bíblia sempre me traz questões. Porque orar faz a gente rever as atitudes erradas, faz perder a tranquilidade. Aí até que fez sentido o tantão de problemas que eu vivo tendo que resolver.

Se tenho problemas a resolver, não consigo tocar em frente a vidinha rotineira. Sou obrigada a agir. E o campo da ação é o local que Deus mais gosta de me levar pra aprender. Aí fiquei pensando nisso, em como Deus nos ama, me emocionei. Ele nos ama tanto, que nos dá problemas para que possamos aprender. Se eu tenho problemas demais, é porque recebo amor demais. Uau! Como Deus me ama! Fiquei feliz.

O desespero dos virgens

Ando impressionada com a quantidade de virgens com os quais tenho conversado nos últimos dias que estão desesperados por vivenciar o sexo sem necessariamente passar pelo casamento, visto que casar anda difícil, complicado e efêmero. Amigas com menos de 20 anos, com mais de 20 anos, na faixa dos 30… Alguns poucos amigos nesse conflito – porque homem jovem virgem é coisa rara de se ver. Pelos ensinamentos religiosos, os jovens virgens estão confinados a uma vida reclusa e assexuada. Privados de se tocarem a si mesmos e de tocarem uns aos outros. Separados do mundo do sexo até que casem.

Às vezes penso que era mais fácil nos tempos bíblicos. Por isso a Bíblia está recheada de recomendações a favor do sexo no casamento. Na juventude, quando os desejos sexuais se manifestam mais intensamente, os pais já providenciavam o casamento. (Aliás, até pouco tempo atrás era assim. Pense em como seus bisavós se casaram!)

O jovem não passava pelo drama da rejeição nem pela insegurança da solidão, uma vez que a meta era expandir Israel casando-se entre o povo judeu. Simples assim. Mande buscar Rebeca para Isaque. Diferente de hoje, que fica moça orando pedindo um Isaque na sua vida, mas, desculpe, você não é Rebeca, não vai ser trocada por uma dúzia de presentes e casar sem conhecer o marido. O resultado podia até ser um casamento problemático como o de Lia, uma vez que Jacó amava Raquel, ou o casamento de Ana, que era atormentada por Penina. Mas certeza que sexualmente estava todo mundo equilibrado.

Já pensei muito nesse assunto. Sabe, conheço quem se casou virgem e mesmo assim enfrentou problemas no casamento na área sexual desde o primeiro ano de casamento. Geralmente se ensina a castidade como se fosse uma apólice de seguro contra todas as avarias no casamento e isso não é absolutamente real. Sequer é bíblico.

Aqueles que provaram o amor “com sabor de fruta mordida” são reprimidos e se sentem culpados de um pecado imenso, como se Deus olhasse o tempo todo para quem está na pornografia, na fornicação, na carnalidade, no adultério e olhasse só de vez em quando para quem está na mentira, no roubo, na hipocrisia, na idolotria, na desonra. Pecado é sempre pecado e deve ser igualmente confessado. Uma vez confessado, Deus lança no mar do esquecimento. É o indivíduo que se lembra, é a sociedade que se lembra, porque os frutos de toda semente lançada aparecem.

Hoje em dia já nem opino mais. Sou leitora da Bíblia, gosto de ler diferentes versões e atualmente estou lendo a Biblia Hebraica da Editora Sêfer por recomendação de um querido rabino. Muita coisa que se ensina hoje nas igrejas não passa de religiosidade e costume. Muita coisa que se deixa de ensinar hoje nas igrejas, só se aprende lendo a Bíblia. Como diria o humorista @IrmaGraceKelly “Se a gente é o que a gente come vou comer a Bíblia pra ser mais abençoada e ungida”.

Indicações de Leitura

Para finalizar, vou indicar leituras. Essa semana eu li um artigo legal. Não basta ter santidade e só vivenciar o sexo após o casamento. É preciso que o sexo durante o casamento seja em santidade, se não for, há legalidade para divórcio. Pelo Teólogo Ed René Kivitz: Sexo é tão santo quanto casamento. Indico também um site, que não é tão bom quanto era o Sexxx Church, mas o Site Não Morda a Maçã fala especificamente sobre sexualidade aos solteiros. Leia com moderação. E não tem nada a ver com o assunto, mas com atualidades do meio business gospel, o melhor post sobre o Festival de Promessas da Globo que eu li foi o do Oziel Alves, dispensa a necessidade de eu falar algo a respeito.

Seguindo sozinha

a
“Assim, pois, sigamos as coisas que servem para a paz e as que contribuem para a edificação mútua.” (Romanos 14:19)

Casamento é bom quando não se está nele seguindo sozinha, o meu casamento não era real, só existia da porta de casa para dentro. Desafios são bons quando dependem unicamente de você vencê-los, meu desafio de salvar um casamento falido dependia pouco de meus esforços.

Geralmente sou uma pessoa de muita paciência, o que faz parecer que suporto tudo. Porém, chegou o meu limite. Primeiramente orei, jejuei e busquei auxílio dos meus pastores e das mulheres cristãs casadas mais velhas que me orientaram e intercederam comigo. Foram longos meses de batalha espiritual, agradeço a todos os que lutaram ao meu lado. Enfim, usei meu direito de divórcio.

A paz de Deus na nossa vida é um estado de espírito de imenso contentamento. É superior a qualquer coisa terrena, é maior que qualquer sensação que possamos ter com dinheiro, sexo, drogas etc. É plenitude de um bem-estar que não se acaba. Eu estava sentindo falta dessa paz, que agora recuperei. E, é claro, de sorrir verdadeiramente como agora eu já posso fazer. Sei quem EU SOU e vou seguir sozinha sim, mas no caminho do Senhor. Sou uma mulher realmente fantástica, do tipo que não existe muitas, agora tenho certeza de que há uma distinção de Deus na minha vida. Muitos chamados, poucos escolhidos… Paz!

O quanto eu gosto de desafios

Particularmente, adoro palavras cruzadas, quebra-cabeças, problemas de lógicas, exercícios de matemática, de álgebra, de cálculo, Sudoku, Kakuro e tudo mais que me faça perder horas quebrando a cabeça para resolver. Mas a vida tem me levado a caba labirinto, ando muito perdida. Não sei se conduzida por Deus a esses desafios ou se confrontada. A fé vai bem, oração, jejum, campanhas, leituras da Bíblia. Vejo o agir de Deus, mas eu espero sempre mais. Eu sei a serva que eu sou e sei que o coração de Deus pode oferecer algo melhor para o meu coração. Muitos vasos tem sido usados por Deus para falar comigo nos últimos dias e eu estou muito cansada de seguir sozinha. Vejamos o que acontece, não sou de desistir dos desafios, mesmo que demorem um bom tempo para serem resolvidos.

Muito mais o que fazer

sabe

Um dentre milhares de milhares

 Sabe quando você sabe que tem mesmo algo mais a fazer, mas não sabe nem por onde começar ou como terminar? Não é como Noé que tinha instruções detalhadas da arca e sabia como ia ser o final de sua missão. Não é como Jesus Cristo que tinha todas as informações do começo e do final de sua missão desde o princípio. Não é como Gideão que sabia como o objetivo da sua missão, quem deveria levar consigo e que estratégia usar para alcançar a vitória no final.

Está mais para Abraão caminhando no deserto para uma terra desconhecida sem saber pra que rumo começar ou onde ia chegar. Está mais para um chamado profético, grande, importante, porém desprezado. Não necessita plateia. Não necessita multidão. As luzes e os holofotes estão dispensados. Mas precisa ter fé, muita fé, e graça superabundante. Difícil? Advinha por quê ainda não estou totalmente equipada?

 Tenho receios de receber a capacitação total do Senhor. Me sinto frágil, instável nos caminhos dEle e ainda muito despreparada para assumir tanta responsabilidade e para ter tantos dons. Não entendo o motivo de eu (agora) permanecer calada, não pedir e ainda assim receber. Enquanto há tantos clamando, pedindo, querendo… e não estão recebendo dons.

Não estou trabalhando como poderia estar. Escrever o que eu aprendo no blog é bom, alcanço algumas centenas de pessoas com meus estudos e refexões da minha caminhada com Deus. Mas foi apenas algo que Deus me mandou fazer: escrever os sonhos, escrever as visões, escrever as profecias, escrever os ensinos, escrever tudo que eu vivesse com Ele. É uma ordenança mal cumprida por mim, pois deixo passar muita coisa. A cada dia tenho aprendido algo de Deus que me prepara para o futuro, mas não é todo dia que eu escrevo.

Há muito mais para se fazer. Há mais que escrever um blog, mais que escrever um livro, mais que cantar no louvor da igreja, mais que anunciar Jesus aos amigos e aos alunos, mais que ler toda a Bíblia todos os anos. Há muito mais o que se fazer. A seara é tão grande que me estonteio, não reajo diante das pressões internas. Sim. Pressões internas. Não são do superego, mas do Espírito Santo. Eu tenho muito mais para fazer. Talvez você não tenha, sabe… eu acabei entendendo que não é para todos.

chamados escolhidos

Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos. (Mateus 22:14)

 Muitos foram chamados, poucos foram escolhidos. Ganhar almas é para todo cristão. Ganhar multidões é para alguns. Ter um dom espiritual é para todo cristão. Ter diversidade de dons é para alguns. Ter algo a fazer para a obra de Deus é para todos os cristãos. Ter muito mais para fazer para tornar o nome de Jesus conhecido é para alguns. Sim, é verdade que muitos foram chamados, poucos foram escolhidos.

Não estou lá. Não estou nesse nível de viver conforme Deus deseja que eu viva. Não sou hipócrita de me sentir a escolhida dentre os chamados. Não sou hipócrita de me afirmar “a cristã”, quando apostatei de quase toda a solidez que o cristianismo oferece. Não sou hipócrita de dizer que estou trabalhando, quando na verdade estou simplesmente estonteada olhando a seara… E não estou fazendo nada, porque o que eu tenho a fazer é muito mais. Me assusta, me comove, mas não me move.

Ó Deus, até quando haverá cisão entre o meu querer e o meu agir? Porque aquilo que quero, ah Paulo, eu também não faço. Mas o que eu não quero, isso eu também faço o tempo todo. Não sou perfeita como Deus é, ainda não consegui atingir essa ordenança. Não sei amar com o amor que Ele me ama. Não sei agir com a intrepidez que seu Evangelho me constrange. Pelas minhas falhas, me envergonho. Há muitas pessoas morrendo lá fora.

Sei que estamos no século XXI e tudo acontece muito rápido, as pessoas comumente não têm tempo sequer para estar com a família e logo se justificam como não podendo pregar, não podendo trabalhar na igreja, na obra. Ninguém pode mais ofertar com desprendimento porque o tempo é curto, o dinheiro também. Sei sim, vivo nesse mesmo mundo, nesse mesmo ciclo, nessa mesma lógica. Mas tenho estudado no Novo Testamento que boa parte da rejeição dos judeus a Jesus advinha do fato de Ele querer romper com a lógica estabelecida, pois Jesus era a encarnação viva da superação da Lei dos patriarcas. É preciso que ao menos alguns de nós quebremos a lógica estabelecida pelas tradições e tomemos nossas decisões, orientemos nossas ações, pelo que o Espírito Santo nos direciona diretamente.

Às vezes, as pessoas ao seu redor não conseguem ver aquilo que somente os seus olhos foram abertos para ver, então você tem que caminhar só na direção que o Espírito Santo revelou a você. Às vezes apenas os seus olhos vêem, apenas os seus ouvidos ouvem, apenas você tem a revelação. Não há quem ande ao seu lado, senão Deus. E isso deve ser suficiente. Deve dar satisfação. Minha angústia vem desse momento só pelo qual já caminho e pela ansiedade de, no completar da vontade de Deus, continuarei e estarei muito mais. Isso tem me estonteado também.

Minhas dificuldades de fim de ano

Nunca senti assim. Mas agora é como se eu não tivesse família, é como se eu não tivesse nem amigos. Várias conquistas e portas abertas para que eu entre em um 2011 melhor do que foi meu 2010. Não dá… São muitas perseguições, são diversos problemas se acumulando, é a minha paciência se esvaindo na hora errada.

Estava completando minha leitura anual e fui anotando tudo de interessante que eu vi sobre esse assunto. As perseguições fazem parte daquilo que Deus quer para mim (I Ts. 3:3) . O Espírito nos avisa e nos prepara para o sofrimento quando abrimos mão de viver a nossa vida para viver o nosso propósito. (At. 20:22-24). Em meio a tantos problemas, é a fé uns dos outros que deveria me fortalecer, os irmãos se animam uns aos outros lembrando as promessas da Palavra, mas isso já não tenho. (I Ts.3:7, 5:11) Faz tempo que não me dou a uma comunidade de religiosos. Isso não é bom. Há tempos também que não me dou a perfeita adoração.

As perseguições e os sofrimentos devem ser enfrentados com paciência e fé. ( II Ts. 1:4; Hb. 10:36) Já não ando com tanta paciência para enfrentar seguidamente os mesmos problemas. Fé… eu queria acreditar agora como acreditei no princípio, mas as circunstâncias me fizeram desfalecer. Só mesmo se Jesus Cristo me der forças para terminar minha missão… (I Tm 1:12).

É… espero que 2011 não seja nem metade do que foi 2010, porque já não vou resistir a tanto por mais tempo.